quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Poesia no ônibus

   A partir de leituras, interpretações e produções de poemas, pensou-se em compartilhar com pessoas que viajam nos ônibus que passam pelo nosso bairro esses poemas, pois através deles podemos "viajar" pela imaginação e descobrir coisas maravilhosas...
   Alguns poemas produzidos pelos alunos...


Paz no mundo


O mundo clama por paz

Você é capaz

De mudar o mundo

Isso a gente é quem faz



As pessoas estão destruindo

E nem se dão por conta

Ficam se iludindo

E destroem o que os outros plantam



O mundo deve ser bom

Mas deve mudar

Como não é completamente

Devemos agir conscientemente



A cada dia que passa

Crianças ficam sem graça

Sem pão pra comer e sem água

Isso só gera desgraça



Francieli Schmitz (Turma 172)




Talvez por terem posse de mim



Diversos assuntos que se passam

Por causa deles alguém desaparece

Enquanto alguns caçam

Enquanto o problema cresce



No crepúsculo que meus olhos crestam

Aflige a dor nas mãos dela

Que constantemente aumentam

Com a falta de sentinela



Sem sentido em tese

Está o incondicional medo da solidão

Sob o vento que não esclarece

O porquê da falta de aptidão



Aptidão que falta a todos

Todos maravilhados com eles

Eles que se dizem maravilhosos

Talvez por terem posse de mim



Nossas vidas estão destinadas

Sabemos que teremos um fim

Todas as pessoas humilhadas

Talvez por terem posse de mim



Marjorie Benneck Vercino ( Turma 172)




O amor

Para que o amor

Se com ele vem a dor?

Tudo começou com uma bela amizade

Mas o tempo transformou em amor de verdade



Com seu jeito envolvente

E também muito atraente

Não sei onde você está agora

Mas sei que no meu coração você mora



Nunca amei ninguém assim

Mas sei que o seu amor foi feito pra mim

Pouco a pouco nosso amor foi construído

Hoje posso dizer que foi concluído



O amor é uma coisa tão divina

Sentimento que domina

Até mesmo alucina

E essa é minha sina



Andressa Ferreira de Simas (Turma 172)





Meio ambiente



Cuidar do meio ambiente

É ajudar nossa gente

Para ter novamente

Água limpa e transparente



As montanhas firmementes

No meio das pedras, as nascentes

Nos rios as grandes enchentes

Isso é meio ambiente



Aqui estamos novamente

Para cuidar do meio ambiente

Por isso devemos limpar

O lugar que temos para morar



Cristóvão C. da Rocha Dietrich – Turma 172





Meio Ambiente



Vamos lá minha gente

Cuidar do meio ambiente

Não jogue lixo no chão

O mundo precisa de ação



Quando jogam lixo no chão

Dói muito meu coração

Não dê mole, não

Preste muita atenção



Abrace a natureza

Com muita certeza

Preservar a natureza

É uma beleza



Jogue lixo no lixo

Siga essa instrução

Respeitar o ambiente

Faz parte da educação



Fernanda N. Aires - Turma 172




Cuide do que é seu

Devemos cuidar do meio ambiente

Não jogando lixo no chão

Para não prejudicar muita gente

E vivermos um tempão



Os rios estão poluídos

No chão tem muito lixo

Precisamos ter cuidado

Com as plantas e os bichos



As pessoas não se tocam

Que estão destruindo o mundo

Jogam lixo sem pensar

O problema é mais profundo



Os animais estão morrendo

Por causa da poluição

Então vamos cuidar

Desse nosso mundão



Vinícius Land – Turma 172

Trabalhando com tipo textual

"O que todo garoto deve saber" e "O que toda garota deve saber"
   Duas obras que informam os adolescentes sobre algumas coisas, acontecimentos que eles devem saber nessa fase da vida tão importante e cheia de descobertas. As obras são divididas em capítulos e cada capítulo trata de um assunto diferente como: gravidez, como se vestir, maquiagem, corpo perfeito, menstruação, timidez, entre outros.
   Trabalhando com os tipos textuais (informativo) em sala de aula, foram divididos esses livros em capítulos, cada grupo resumiu e apresentou para os demais colegas. Logo foi formado um grupo para fazer a junção de todos os resumos dos capítulos e criada uma apresentação em power point informando, aos demais colegas de nossa escola e de outras escolas do município, esses assuntos tão necessários para os adolescentes.
   Os alunos receberam um convite para apresentar esse trabalho também em outro município.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Descobrindo caminhos da poesia



Anúncio de Zoornal!

Troca-se galho d' árvore
Novo em folha, vista pra mata
Por um cacho de bananas
Da terra, nanica ou prata
Sérgio Caparelli

A partir de análise de classificados não-poéticos e poéticos, os alunos criaram seus classificados.


Nome: Bruno, Jonatan
Turma: 181
Data: 18/08/09



Não poético

Vende-se um Honda civic2007, preto, com suspensão a ar.
Completo, ar condicionado, vidro e travas elétricas, insufilmi, aro de liga leve, dois meia nove, duas corneta.
de banda, dois de dezoito, dvd de 14 polegadas direção
Hidráulica.

Poético

Vendem-se pensamentos
ótimos pensamentos
daqueles que você não encontra em qualquer esquina,
o preço é barato...
a sua amizade!



Grupo:Andressa,Eliane e Brunna.
Trabalho de Português
Turma:182


Classificado poético!

Diet Water=Água em pó

Chegou no mercado o mais inovador produto do mercado.

A Água em pó=Diet Water

Chegou a água em pó, basta acrescentar água e pronto, quanto mais água mais rende.

FONE:1/2-1/2-1/2-6mole 6 dura


Classificado não-poético!

Compro um carro,grande...Bem grande...Muito grande mesmo.

Fone:12e3-25e30

Nomes :Daniela, Marcieli, Nargeana
Turma: 182
Data:18/08/09

Vende-se

Um fusca cor verde abacate,ano 65

Novinho em folha de última geração

O único problema é que ele não anda,

Pois o motor foi perdido andando na cidade da Xurupita.

Os pneus estão quase novos porém um pouco careca.

Os bancos foram substituídos pela modernidade;

A modernidade são as super cadeiras de praia,

A direção está super boa só gira para direita.

Porém o valor dele é super adequado ao produto,

Apenas 65,000

Ou até duas parcelinhas de apenas R$32,50

Tratar pelo orelhão *8000-35684.
OBS:não aceitamos devoluções.
Nomes: Alexandre e Uélerson
Turma: 171
Classificado poético
Vendo uma alegria
Perdida de amor
Da minha vida o que seria
Se eu só sentisse dor?
Perdido de amor
Perdido de dor
O amor que eu tinha
Se espatifou
Prefiro pintar
Em vez de escrever
Hoje eu pinto o amor
Que eu rejeitei
Nome: Jesse
Turma: 171
Classificado poético
Aluga-se um coração
Na rua da solidão
Contato com o coração
Cheio de esperanças e de emoção
Com carinho imenso
Amor e muita confraternização
Interessado falar com
Alguém solitário

Nomes: Bruna e Marjorie
Turma: 172
Classificado não-poético
Vende-se uma bicicleta em ótimas condições no valor de R$100,00. Aceita-se ferro de passar roupa em troca.
Classificado poético
Troca-se uma casa empoeirada
Por um canto de uma ilha deserta
Onde não há bruxa malvada
E que a felicidade seja certa
Quero um lugar de paz e tranquilidade
Que se possa viver em harmonia com a natureza
Sem tristeza, sem arrependimento
Vivendo com fortaleza
Que o tempo não passe
Que a maravilha não acabe
Para eternamente viver

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Quem tem um diário?



21/02/92
Daniel veio direto da aula aqui pra casa. Vai ficar com a gente todo final de semana. É um amigo meio maluquinho, meio moleque, mas muito criativo e inteligente. Está na minha classe, mas é amigo inseparável do Rô, meu irmão, dois anos mais novo que a gente. O amigo era meu e ficou mais do Rô. Coisas de afinidade... Engraçado como os garotos são diferentes, desligados, capazes de brincar com outros mais novos numa boa. Sem a pose de adulto que têm as garotas da minha idade. Lá está o Daniel chutando a bola, depois de ter apostado corrida de bicicleta, nadado, lambuzado a cara com manga e com a mostarda do cachorro-quente. Já sei que minha mãe vai chamar umas dez vezes os dois pra tomarem banho. Vai repetir que o jantar sai às sete, e eles nem vão dar bola. Eles só querem curtir as brincadeiras, sem preocupação com comida ou com o tempo.
JOSÉ, Elias. De amora e amor. São Paulo: Atual, 2004. p.34-35


A partir do texto acima, foi trabalhado o gênero textual diário e cada aluno da 7ª série criou seu diário.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

A noiva do poço...



Conta a lenda que uma noiva foi abandonada no altar pelo seu noivo, no desespero, saiu correndo, embarcou no primeiro trem que passava. Mas o desespero era tanto, que se jogou do trem e caiu dentro de um poço. Até hoje ninguém mais a viu. As pessoas do bairro contam que a noiva aparece à meia-noite no poço onde caiu.

Essa história surgiu em sala de aula a partir de uma pesquisa realizada pelos alunos da 7ª série sobre histórias extraordinárias (proposta do Projeto Ler é Saber) acontecidas no bairro. Então, os alunos foram conhecer o poço (foto ao lado) onde a noiva caiu, estudaram as características do gênero história extraordinária, analisando algumas histórias desse gênero e por fim, produziram um texto coletivo desse gênero. Logo, em grupo, produziram outro texto do gênero história extraordinária e apresentaram criando sons para determinadas partes do texto.

Trabalhando com o gênero textual notícia



video
        Os alunos da 8ª série visitaram o Museu de Ciências e Tecnologia da PUC, a partir da visita feita, divididos em grupos, escolheram um objeto ou assunto do interesse do grupo e produziram uma notícia e apresentaram essa notícia como um telejornal.
A atividade aconteceu da seguinte maneira: o gênero notícia foi trabalhado em sala de aula com explicação sobre o que é esse gênero, suas características. Logo, os alunos analisaram diferentes notícias publicadas nos jornais locais, realizaram a visita ao Museu da PUC, produziram a notícia e finalmente, apresentaram oralmente (telejornal) o texto produzido por eles.
Aluna conferindo sua massa corporal em Estrela de Nêutrons





sábado, 8 de agosto de 2009

A escrita e a leitura: atividades importantes dentro e fora da sala de aula




Olá!


Sou professora de Português da Escola Municipal Maria Almerinda, Nova Hartz, e criei esse blog com o objetivo de trocar atividades realizadas em sala de aula com os alunos de 7ª e 8ª séries.

A escrita e a leitura são atividades importantes tanto dentro como fora da escola. Elas ocorrem porque exercem diferentes funções comunicativas e finalidades, considerando os objetivos de quem escreve e dem quem lê.
Em sala de aula, a prática da escrita e da leitura deve preparar os alunos para se comunicarem adequadamente nas diferentes funções do trabalho que venham a ocupar, na continuidade dos estudos, no lazer, nas resoluções de problemas do cotidiano, etc.
Trabalhar a escrita e a leitura de forma eficiente depende do desenvolvimento de atividades que nos levem a praticar e refletir sobre as diferentes situações sociocomunicativas, os gêneros textuais, as técnicas de escrita e leitura, dependendo dos temas e objetivos propostos.